24 agosto, 2009

Arte Românica: Arquitetura

Sua arquitetura sofreu influências das construções dos antigos romanos.
As características que marcaram a arquitetura românica foram as abóbadas das basílicas, os pilares fortes e maciços, as paredes espessas com pequenas aberturas funcionando como janelas, as torres e os arcos.
Era desejável erguer grandes igrejas , todas de pedra,dominar a abóbada de pedra,que proporcionava ao templo solidez e perpetuidade, ao mesmo tempo que simbolismo universal em sua forma côncava.
A igreja românica era chamada "fortaleza de Deus" e percebemos claramente isso por seu tamanho e estilo arquitetônico duro.
A mais famosa igreja românica foi a Catedral de Pisa e a beleza de seu campanário. Hoje é conhecida como Torre de Pisa, aquela que está inclinada porque o terreno cedeu.





ESCULTURA

A escultura românica era realista, suas figuras retratavam as pessoas como realmente eram. Suas figuras eram alongadas, com rostos formais, mas sem expressão. Também se caracterizavam pelo uso de linhas estilizadas e decorativas Na porta, a área mais ocupada pelas esculturas era o tímpano, nome que recebe a parede semicircular que fica logo abaixo dos arcos que arrematam o vão superior da porta. Imitação de formas rudes, curtas ou alongadas, ausência de movimentos naturais.
A escultura românica está inter-relacionada a arquitetura ,separando –as ,só conseguiríamos destruir ambas.A escultura é talhada na mesma pedra que faz parte do edifício.




PINTURA

Numa época em que poucas pessoas sabiam ler, a Igreja recorria à pintura e à escultura para narrar histórias bíblicas ou comunicar valores religiosos aos fiéis. Não podemos estudá-las desassociadas da arquitetura.
A pintura românica desenvolveu-se sobretudo nas grandes decorações murais, através da técnica do afresco, que originalmente era uma técnica de pintar sobre a parede úmida.
O românico investe na pintura , que pressupõe uma considerável economia de tempo e de dinheiro em relação ao mosaico.
Os motivos usados pelos pintores eram de natureza religiosa. As características essenciais da pintura românica foram a deformação e o colorismo. A deformação, na verdade, traduz os sentimentos religiosos e a interpretação mística que os artistas faziam da realidade. A figura de Cristo, por exemplo, é sempre maior do que as outras que o cercam. O colorismo realizou-se no emprego de cores chapadas, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e sombra, pois não havia a menor intenção de imitar a natureza.




Camila Willers e Deise Salvador

REFERÊNCIAS:
RAMALLO, Germán. Saber ver a arte românica. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

2 comentários:

  1. A arquitetura Românica sofreu influências das construções dos antigos romanos.
    Suas principais características são:
    - as abóbadas das basílicas
    - os pilares fortes e maciços
    - as paredes espessas com pequenas aberturas funcionando como janelas
    - e as torres e os arcos.
    Construíram grandes igrejas de pedra em formato côncavo, tenteando transmitir sentimento de solidez e perpetuidade.
    Um exemplo de igreja românica é a Catedral de Pisa, hoje conhecida como a Torre de Pisa, aquela que está inclinada porque o terreno cedeu, na Itália.
    Ao se comentar sobre a escultura românica, cita-se que era realista, ou seja, retratava as pessoas como elas realmente eram. Suas figuras eram alongadas, com rostos formais mas sem expressão.
    Ao se falar da pintura românica, deve-se primeiramente lembrar que em uma época em que poucos sabiam ler, a Igreja recorria à pintura e à escultura para narrar histórias bíblicas ou comunicar valores religiosos aos fiéis.
    A pintura românica desenvolveu-se sobretudo nas grandes decorações de murais, através da técnica do afresco, que originalmente era uma técnica de pintar sobre a parede úmida. As características essenciais da pintura românica foram a deformação e o colorismo.

    ResponderExcluir
  2. O período denominado de Românico se estende, aproximadamente, de 800 a 1.200, e leva este nome devido à política de ROMANIZAÇÃO que o imperador Carlos Magno adotou quando assumiu o trono do que havia restado do antigo Império Romano. Isso foi no dia de Natal do ano de 800. A ideia de Carlos Magno era resgatar a riqueza e a ixuberância das cidades da antiguidade.
    Formalmente, as construções que teremos nesse período se diferenciam das construções bizantinas pelo ar mais austero.
    Se durante o estilo bizantino, temos igrejas recheadas de mosaicos - muitos deles em ouro-, durante o Rmânico teremos templos que se caracterizarão pelo grande tamanho, pleo aspecto de fortaleza, pela presença discreta de janelas e pela pintura mural.
    Essas caracteristicas se devem, inclusive, ao ambiente social e econômico que se vivia na época.Devemos lembrar que desde o desmembramento do Império Romano, em 395, as cidades do antigo e frondoso império ficaram passíveis de invasões bábaras. Roma inclusive, foi invadida pelos bábaros.
    O que movia essas igrejas era a devoção a relíquias diversas, como prováveis maços de cabelos de santos, ossos de mátires, etc.
    São exatamente essas apreensões e medos que as construções-igrejas do Românico refletem. Elas trazem aspecto pesado, com poucas janelas, também para evitar possíveis invações bárbaras. São escuras e sombrias, porque o fim do mundo também está chegando e, como se não bastasse, são geralmete adornadas com uma quantidade impressionantew de figuras demoníacas e de alegorias que remetem ao inferno, para lembrar as pessoas do que as espera se elas não obedecerem os preceitos ditados pelo clero.
    Uma da mais importantes criações desse período é sem dúvida, o chamado Cristo do Juízo Final, ou Cristo em Magestade. Trata-se de um " Aprimoramento" da imagem do Cristo Pantocretor, surgido durante o estilo bizantino. A imagem desse Cristo- que é presente também no estilo Gótico, posterior ao Românico- aparece junto ao tímpano das portas da igreja.É esse cristo que 'recebe" as pessoas para a missa, para os eventos religiosos . o portal românico possui, portanto uma função particular: acolher os fiéis, que vêm de um mundo de medo, de um mundo pecador. O Cristo deve acolhê-los, já que Ele é a Salvação, o único que pode perdoar os pecado.

    ResponderExcluir