04 maio, 2010

Os 300 de Esparta

Filme feito em 1962, uma superprodução, grandes investimentos em infra-estrutura, vestimenta e atores foram feitos para trazer uma idéia dos acontecimentos da época de 480 a.C. O filme traz a história do soldado grego Leônidas, que corajosamente guiou as tropas espartanas, com apenas 300 soldados numa jornada dura, visando enfrentar o exército persa, constituído por uma quantidade imensuravelmente maior do que as tropas espartanas. Mesmo o filme não afirmando a quantidade de homens, foram feitas comparações de quilômetros de tropas.


As vestimentas espartanas eram vermelhas - diziam que assim o inimigo jamais veria o sangue espartano - e todos carregavam um escudo dourado.

Batalhas duras foram travadas ao longo da guerra, os soldados espartanos mostraram bravura em todos os momentos, não chegaram nem a cogitar a hipótese de desistência. Chegaram a vencer enormes quantidades de inimigos, até passarem temor ao rei persa.
Essa mesma história inspirou o consagrado quadrinista Frank Miller a criar a série de HQs 300.
Elenco do Filme:
Richard Egan, Sir Ralph Richardson, Diane Baker, Barry Coe, David Farrar, Donald Houston, Anna Synodinou, Kieron Moore, John Crawford, Robert Brown, Laurence Naismith, Anne Wakefield, Ivan Triesault, Charles Fawcett, Michalis Nikolinakos

Resumo do filme:
Os 300 de Esparta

Um filme baseado em fatos reais, acontecidos na época de 480 a.C. na Grécia.
Esparta é um local situado a cerca de 320 Km ao norte da Aténas Moderna. A batalha envolvendo 300 guerreiros espartanos foi feita em busca da liberdade. Nesta época o rei Xerxes da Persa colocou seu gigantesco exercito de escravos para derrotar a ultima parcela de cidades que ainda vivia em liberdade na época.
Uma parcela dos governantes tinha a idéia de fazer com que cada cidade resolvesse o problema por conta, sem o uso extremo e arriscado da violência, para não criar grandes batalhas que poderiam gerar assassinato em massa da população Grega. Mas o representante de Atenas desejava unir os povos para uma vitória geral. Era a mesma opinião do Rei Leônidas , governante de Esparta. Então Esparta foi escolhida para liderar as cidades gregas unidas na guerra contra a Pérsia por terra e por mar. Atenas acabou entregando a liderança naval para Esparta, mesmo os espartanos não sendo marinheiros navais. Uma parte do conselho espartano foi contra a união e a guerra, mas não houve jeito, Leônidas, mesmo com apenas 300 guerreiros das tropas espartanas partiu em viajem, ainda confiante na vitória, pois o povo espartano era conhecido por suas habilidades em batalha. Uma parcela dos guerreiros havia ficado em Esparta pelo festival religioso. Pois em geral Esparta não deixava de lado acontecimentos relacionados a religião.
Quando Persa ficou sabendo que Esparta lutaria com tropas tão inferiores as suas ficaram espantados. Mas com o passar do tempo se assustaram pois as tropas espartanas batalhara e atacaram pontos de Pérsia com todo seu poder. Usando técnicas aprimoradas de batalha e táticas de ataque, atacaram de surpresa durante a noite, assim impedindo Pérsia de das uma resposta a altura. Em geral nas história, aconteceu de Pérsia perder as batalhas, pois ganhavam em quantidade, mas não tinham equipes tão bem preparadas.
Persa chegou a pedir para Leônidas desistir, acabar com a matança. Prometendo piedade de Esparta. Mas Leônidas não aceitou, pois estava decidido a lutar até o último suspiro.
Após isso Xerxes estava decidido a vencer, chegou a mandar sua guarda pessoal, “os imortais”, como eram conhecidos, para o campo de batalha. Com a esperança de vencer Leônidas e suas tropas, para fezer o resto se render. Tudo em vão, pois mesmo assim Leônidas e suas tropas venceram bravamente esse homens.
Os dias foram passando, os espartanos começaram a sentir a guerra na pele, muitos já estavam feridos. Um dia as tropas persas receberam a informação de como atacar pela retaguarda as tropas espartanas. Aproveitaram muito bem essa chance, pois Xerxes já não estava mais disposto a derramar sangue de seus soldados. Conseguiram assim derrotar a maior parte do exercito espartano. A batalha continuou e Leônidas ficou encurralado com o resto de suas tropas. Talvez como um último ato de impedir derramamento de sangue, o rei Xerxes propôs um acordo para Leônidas, mas honradamente não foi aceito pelo Espartano. Assim Xerxes decidiu atacar o resto de espartanos com seus arqueiros a distância. Assim Leônidas e suas tropas caíram.
A batalha estava perdida, mas a guerra não acabara, com este ato heróico, os espartanos impulsionaram o resto da Grécia para a vitória. Pois com este feito mostraram que nada é impossível. Assim a Grécia jamais se rendeu a tirania.














Postagem criada por Fabiano Kunst.

Um comentário: